terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Quem sabe


Sabe por que pedi sua ajuda em matemática? Não foi por ter dificuldades, mas sim, porque queria te conhecer melhor. Você é incrível, talentosa e extremamente... linda. Acho que não tinha como não me apaixonar. É, estou perdidamente apaixonado por você e acho que todos os idiotas que puderam te conhecer tanto ou mais do que eu te conheço são tremendos imbecis. Porque você é perfeita em toda a sua imperfeição... Porque o jeito que você olha para baixo quando está com vergonha, como nesse momento, e sorri esse sorriso tímido é magnifico. Você é a menina mais atraente que conheci em toda a minha vida. Me perdoa, mas vou ter que te beijar agora!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Filmes Antigos


Eu corri.
Não como nos filmes antigos onde a linda mocinha corre em direção ao seu amado, mas sim, desesperada e desamparada.
Entrei na loja mais próxima e fui para o fundo dela. Acho que não me dei conta de onde estava porque sentei no chão e escondi minha cabeça entre os joelhos por estar chorando. E não notei o tempo passar. Quando finalmente levantei os olhos percebi que estava no meio das toalhas, praticamente escondida. E meu coração palpitou mais ainda quando olhei para o lado e te vi com uma expressão que misturava felicidade e tristeza.
-Antes que me pergunte, - começou. – estou aqui desde que você chegou.
Disfarcei um sorriso e te olhei preocupada.
-Mas e o seu trabalho? – e notei que minha voz saiu mais embargada do que pensei que estivesse.
-Estava saindo quando vi você entrar e praticamente se esconder aqui.
Eu baixei os olhos para meus pés e escondi novamente o sorriso bobo, por simplesmente perceber que você se importava.
-Obrigada... – murmurei.
Você sorriu e me abraçou carinhosamente. A primeira vez que me tocou, apertando-me contra o peito. As lágrimas pararam de sair de meus olhos e me acalmei com seu doce cheiro que adentrava em minhas narinas. Os mil e um pensamentos que passavam em minha cabeça, se esvaíram tão rápido que me assustei e apenas o pensamento de estar surpresa por você perder seu precioso tempo comigo ficou.
A palpitação de meu coração foi tão alta que você deve ter escutado, mesmo com seu ouvido longe de meu peito. Eu estava apaixonada e nunca tinha notado isso. Finalmente reparei que ficava feliz estando perto de você e às vezes até tremia de nervosismo. Porque você mexia com meus sentimentos e me deixava desse jeito. Um sorriso começou a surgir de meus lábios por ter notado esse sentimento. Parecia até que meu coração já sabia, mas minha mente o bloqueava a qualquer custo. Mas hoje não, porque você acabou fazendo com que meu trabalho mental cessasse.
-Você já está melhor? – perguntou-me depois de um tempo, segurando meu rosto com as duas mãos e olhando em meus olhos vermelhos.
-Acho que sim. – respondi, desviando-os dele.
-Menina, por que você nunca olha nos meus olhos?
Tenho absoluta certeza que fiquei extremamente vermelha porque começastes a rir.
-Eu te conheço. Sei que andas me evitando porque está sentindo algo nesse coraçãozinho. Só que não quero mais que me evite, ok? – pediu, deixando-me extremamente surpresa com a afirmação sobre meus sentimentos.
Confirmei com a cabeça e virei o rosto para não ficar mais vermelha do que já estava.
Novamente perdi a noção do tempo. Lembranças do que havia ocorrido antes voltaram. Vi-me numa viagem ao passado lembrando-me de quando te conheci, das vezes em que você me olhou com um sorriso e das vezes em que brigávamos de brincadeira.
E quando voltei a mim, você estava me beijando de um jeito carinhoso que me tirava o fôlego, que apagava todo o motivo de estar chorando minutos atrás. Aquilo foi tão bom que eu já estava nas nuvens em poucos segundos.
Ao se afastar, você me olhou e começou a rir novamente.
-Devias ver o quanto estás vermelha.
E dessa vez eu não escondi o sorriso, só porque estava delirando ainda com seu beijo repentino.
-Você é louco... – foi a única coisa que consegui dizer-te naquele momento.
-Bem, - disse olhando o relógio. – acho bom nós irmos embora, já está ficando tarde. – e você levantou, me puxando em seguida.
-Como assim tarde? – perguntei espantada.
-Já está anoitecendo. – respondeu.
Começamos a caminhar em direção a saída da loja quando você segurou minha mão num gesto inocente e me olhou carinhosamente.
-Não chore mais minha linda.
E eu sorri.
Igual naqueles filmes antigos em que a mocinha fica com seu príncipe no final e vive feliz para sempre. Era assim que eu me sentia... Feliz por finalmente estar com você...