sexta-feira, 3 de maio de 2013

Limpeza geral


Tá na hora de fazer aquela limpa geral, sabe? Apagar números de telefone, mensagens nas redes sociais e no celular, excluir certas pessoas da minha vida. Tenho quase certeza de que elas não farão falta nenhuma, afinal o encanto acabou, as palavras cessaram, a magia somente esvaiu. Simplesmente houve o fim. De novo. É até engraçado afirmar isso e sentir as lágrimas surgirem teimosas, como se a culpa tivesse sido minha. Como se eu tivesse contribuído para que tudo acontecesse da maneira que eu menos queria. Na verdade, nunca é do jeito que a gente planeja, o futuro é uma caixinha desgraçada de surpresas e por mais que o planejamento esteja presente, raramente ele se realiza do modo “correto”. Somos movidos pela sorte de encontrar a pessoa certa, que tome as decisões certas (para nós), sorte que quase nunca existe. Entramos num ciclo vicioso de conhecer pessoas e perder metade delas por causa de algo infeliz que ocorreu, e geralmente são as “melhores” que vão embora, aquelas que você faria de tudo para conhecer novamente. Às vezes a culpa nem é sua, mas a maior decisão, a de fazer aquela limpa geral, cabe somente a você. É ruim? Sim, e muito, mas é melhor do que viver de passado, esperando que ele volte como se nada tivesse acontecido.