sábado, 29 de junho de 2013

Last Nite


Dei fim a minha visão naquela noite. Fechei os olhos e apurei minha audição para a música e o coro ao redor. A música que tocava era uma de minhas favoritas e foi impossível não cantar e pular junto da multidão. A endorfina tomando conta de meu corpo, amortecendo a dor nos pés por causa do maldito salto alto e me fazendo sorrir de uma felicidade momentânea. Naquele momento eu era outra pessoa, resquícios de vidas passadas, detalhes de vidas futuras ou talvez aquele era somente um desejo completamente reprimido de poder esquecer da minha vida. Oh sim, deu certo...

Last night, she said "Oh, Baby, I feel so down
See it turns me off, when I feel left out"
So I, I turned 'round: Oh, baby, don't care no more
I know this for sure, I'm walking out that door
The Strokes - Last Nite

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Fique no Passado


Venho passando por um mês nostálgico, lembrando e fantasiando cenas de um tempo que provavelmente nunca voltará. É até cômico pensar em você e lembrar de como eu ficava idiota com suas palavras; de como foi engraçado quando descobrimos o que estávamos sentindo e, por causa da imensa timidez, parecíamos dois pré-adolescentes conhecendo o amor. Aqueles que sabiam de toda a nossa história torciam tanto para que nós ficássemos juntos por muito tempo, até que eu comecei a crer que isso poderia acontecer. Admito que ignorei os fatos reais e me tornei cega para tudo, exceto o que sentia. Quase tudo contribuía para que meus sentimentos se tornassem intensos; a cada palavra escrita, a cada palavra falada, a cada qualquer suspiro, eu te amava mais do que imaginei poder amar alguém. Fizemos planos, tantos planos... Te ensinaria a cozinhar aquelas coisas básicas que todo mundo deveria saber e você me levaria num jogo de seu time, protegendo-me caso eu soltasse algum comentário ofensivo; faríamos doces para uma daquelas noites tediosas e sentaríamos no sofá, comendo e assistindo alguma comédia romântica idiota que me deixou escolher... Passaríamos uma noite em seu quarto, conhecendo cada detalhe de nossos corpos, você sendo carinhoso e atencioso comigo... Talvez tudo isso tenha retornado à minha mente porque o tempo em que esses planos se concretizariam está chegando. Na época, eu não via a hora de estar contigo; agora, eu não vejo a hora desse tempo chegar, ficar em branco, ser esquecido e ficar de vez no passado.

domingo, 9 de junho de 2013

Alguns minutos



Ela sorriu. Percebia-se de longe que nós dois estávamos completamente nervosos e isso era algo maravilhoso de se sentir; o coração disparado, os lábios entreabertos e meus olhos pregados em sua boca, em suas orbitas escuras me olhando com certo receio. Mas ela sorriu. Os seus braços se levantaram e suas pequenas mãos me puxaram timidamente. Eu ofegava e tremia; não era meu primeiro beijo, não era minha primeira garota, mas mesmo assim, ofegava. Ela segurou minha camisa e me puxou, arrancando-me um leve beijo. E ela continuou sorrindo. Vi esse sorriso em seus doces olhos e foi irresistível. Segurei-a pela cintura e aproveitei a pouca iluminação do local para onde a arrastara. Olhei-a nos olhos e, finalmente, sorri. Ali, naqueles poucos minutos, ela foi minha; naquele pequeno espaço escondido e pouco iluminado, eu a tive. E agora não a tenho mais.