quinta-feira, 14 de julho de 2016

Paradoxos


Esta noite resolvi te escrever para dizer coisas que talvez nunca diga pessoalmente. Na verdade, talvez este texto também nunca chegue a você, querido. Já redigi milhões de cartas, entretanto, na maioria das vezes, escrevo apenas por descargo de consciência, para poder externalizar todo esse turbilhão de pensamentos que me assombram diariamente. E, tenha certeza: são milhões de pensamentos viajando na velocidade da luz dentro de minha mente ociosa. Alguns desses pensamentos eu tento afastar de todas as maneiras possíveis; sem sucesso, como é de se esperar quando se trata de minha cabeça.
Talvez você não saiba, mas ultimamente minhas mais loucas fantasias te envolvem. Imagino como seria se pudéssemos ficar juntos, se pudéssemos entrelaçar nossos dedos num andar de mãos dadas qualquer numa rua cheia de pessoas que nos ignorariam. São pensamentos tão idiotas, mas que definem quem eu sou: uma das pessoas mais idiotas do mundo quando está apaixonada. Sim, querido, estou apaixonada. Perdidamente. Eu me envolvi na sua doçura e seu jeito de se preocupar comigo de uma maneira tão completa que não faço a menor ideia de como isso aconteceu. Quando percebi, ele já estava lá, o sentimento crescendo a cada palavra, a cada dúvida que minha mente criava, a cada “Gosto do que temos” dito em dias tão comuns de chuva no final da tarde...
Hoje, esta carta tem destino certo: ela conhece seu destinatário, mas se recusará a chegar até ele. Talvez seja medo desta que a escreve, medo de envolver-se demais e transbordar, como sempre fiz todas as vezes que me apaixonei. Eu transbordo, querido. Eu me jogo, mergulho de cabeça e, quase sempre, me afogo. É até paradoxal, mas ainda quero me sentir assim: como se a qualquer momento eu pudesse transbordar todos os sentimentos que teimo em trancar. Entretanto, hoje há um certo controle que até me espanta; hoje, não estou disposta a transbordar por nós dois.